Magazine Luiza: Analise fundamentalista 2009 até 2020

O Magazine Luiza é uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis e grande presença nas classes populares do Brasil. A companhia conta com uma base de 45 milhões de clientes cadastrados, especialmente na classe C e possui 791 lojas, sendo 675 convencionais, 115 virtuais e o site. Atualmente o grupo é focado na comercialização de eletrodomésticos, produtos eletrônicos, tecnologia, móveis e cozinha, utilidades domésticas, brinquedos e outros. Como as demais empresas do setor, o Magazine Luiza facilita as atividades de comercialização ao oferecer serviços de crédito, pelo Luizacred, e de seguro, pela Luizaseg, além de cartas de crédito, pelo Consórcio Luiza. A presença do grupo alcança 15 estados no Brasil e as ações da companhia são negociadas na BMF & Bovespa sob o ticker MGLU3.

A Magazine Luiza transformou-se numa das estrelas no MUNDO CORPORATIVO, gerando grande valorização no VALOR das ações negociadas na BOVESPA.

A Visão futurista no investimento das plataformas digitais e aproximação online dos seus clientes, antes mesmo da PANDEMIA, colocou a EMPRESA num elevado nível de gestão Empresarial.

Antecipar, prever e planejar é a razão do sucesso dos EMPREENDEDORES VISIONÁRIOS e os números refletem as altitudes. Uma das funções do estudo das FINANÇAS CORPORATIVAS é através dos números capturar o sucesso de uma EMPRESA, decorrente do modo de agir dos administradores.

Em 2020, mesmo durante a pandemia a Receita liquida da EMPRESA atingiu R$ 29.7 bi com um crescimento de 46% em relação ao ano de 2019, a margem bruta foi de 25%, gerando um LUCRO OPERACIONAL de R$ 704 milhões e resultando num lucro líquido de R$ 391 milhões, e margem líquida de 3% e teve uma queda de 3,65% em relação ao ano de 2019, devido investimento da EMPRESA nas despesas com vendas na estratégia da continuidade ao crescimento.

A rentabilidade do acionista, medido pelo ROE foi de 5,35% decorrente da margem liquida de 1,34% do giro de 1,18 e da alavancagem de 3,36. O principal fator que provocou a retração da margem de 2019 qua atingiu 12,19% foi a queda da margem liquida, devido os investimentos de crescimento nas despesas comerciais.

O índice preço/Lucro elevou-se significativamente devido a queda da margem, mas os investidores seguraram o VALOR das ações na BOVESPA devido a credibilidade da EMPRESA em relação ao CRESCIMENTO FUTURO.

No relatório financeiro de 2020 a EMPRESA destaca a CAPACIDADE inata de mudar. Paradoxalmente, a zona de conforto nunca nos deixou à vontade ao longo de nossos 63 anos de existência, destaca a Diretoria da Magalu e complementa que a maior pandemia em mais de um século nos obrigou a viver muitos anos em apenas um. E, como todas as EMPRESAS, como cada indivíduo, o MAGALU foi colocado a prova.

Parabéns a Diretoria do MAGALU pelo excelente resultado em 2020 e a percepção de antecipar-se na atitude visionária.

Prof. Alexandre Wander

Leia mais

Mais lidas

Últimos conteúdos