Semana inicia com a tensão nos mercados mundiais devido a COVID

A bolsa brasileira recua nesta segunda-feira, 21, seguindo o cenário externo negativo, com o aumento do número de casos de coronavírus na Europa e notícias sobre transações suspeitas envolvendo bancos globais. Às 10h39, o Ibovespa, principal índice da B3, caía 2,03% para 96.298 pontos. A mínima intradiária, de 96.204,31 pontos foi a menor pontuação desde 2 de julho.

México: O IPC do México perdeu 114 pontos ou 0,3% para 36.017 na sexta-feira, com as ações de tecnologia dos EUA caindo e o S&P 500 e o Nasdaq registraram sua terceira perda semanal. Do lado macro, os dados do INEGI mostraram que os salários reais no setor manufatureiro subiram 0,9% em julho em relação ao ano anterior, à medida que a criação de empregos se acelerou. Enquanto isso, o MXN desvalorizou na sessão após registrar uma alta de 6 meses, com um salto semanal de 10% nos preços do petróleo WTI. Do lado da pandemia, os casos de coronavírus aumentaram em 3,2 mil na quinta-feira, o menor desde o final de junho.

Espanha: O IBEX 35 caiu 156 pontos, ou 2,2%, para terminar em 6.930 na sexta-feira, seu nível mais baixo em uma base de fechamento desde 31 de julho, pressionado pelo turismo e ações de bancos em meio a preocupações com a possibilidade de novos bloqueios, já que os casos de coronavírus estão aumentando mais rápido. A Organização Mundial da Saúde alertou que as infecções semanais de COVID-19 na Europa são agora maiores do que o primeiro pico de coronavírus da região em março, conclamando os governos a apertar as medidas restritivas. O governo regional de Madri anunciou novas restrições com o objetivo de conter o aumento do número de casos de coronavírus na região a entrar em vigor a partir de segunda-feira. As pessoas terão permissão para entrar e sair para atividades essenciais, como ir à escola ou ao trabalho, ou para cuidar de dependentes; as reuniões sociais são reduzidas a seis pessoas e os parques públicos permanecem fechados.

França: O CAC 40 recuou 1,1% para 4.978 durante a última semana, revertendo de um ganho de 1,4% no período anterior, com os investidores se preocupando com o aumento das infecções por coronavírus em todo o continente. As infecções semanais de COVID-19 na Europa são agora maiores do que o primeiro pico de coronavírus no continente em março, alertou a Organização Mundial de Saúde. Na França, o número de infecções atingiu um recorde de 10.593 na quinta-feira. No front corporativo, Unibail Rodamco foi um dos piores desempenhos depois de anunciar uma questão certa. A LVMH pediu, sem sucesso, ao Ministro da Economia e Finanças da França que a ajudasse a encontrar uma maneira de sair de seu plano de fusão com a Tiffany, relatou o Wall Street Journal. Somente para sexta-feira, o CAC 40 caiu 1,2%, após queda de 0,7% na quinta-feira.

fonte: https://tradingeconomics.com/stocks

Leia mais

Mais lidas

Últimos conteúdos